Já estamos em guerra, simplesmente isso não foi comunicado à maioria.

O fim da bolha

Há décadas que Portugal vive uma bolha imobiliária (em particular nos distritos de maior densidade populacional, especialmente Lisboa) muito curiosa. Uma bolha que parecia não ter começo, meio e fim como todas as outras noutros países; apenas uma longa e contínua subida. Isto é facilmente explicável. O começo da bolha parece estar na descolagem de nível de vida que a classe média começou a ter em fins dos anos 70, inícios dos anos 80 e que foi continuado até aos 90s, mas, depois, deveria ter-se seguido um período de estagnação seguido de muito perto por uma queda real dos preços (na ordem dos dois dígitos percentuais dadas as valorizações excessivas) mas no entanto os preços continuaram estranhamente a subir. A partir de 2000 a situação começa a transformar-se numa verdadeira pintura verdadeiramente surreal à la Dali. Há sinais constantes de abrandamento económico, minicrises em vários sectores, um desemprego que vai lenta mas seguramente crescendo e os preços das habitações não sofrem qualquer oscilação negativa. Nada. Antes pelo contrário continuam uma escalada ascendente. É verdade que a escalada foi menor que noutros países (cerca de 45% entre 96 e 2007 contra os record 350% da Irlanda – falamos de médias nacionais em Lisboa e Vale do Tejo estes valores estão subavaliados) mas isso fica-se a dever a vários factores locais como o facto de ser um mercado mais maduro (menos clientes disponíveis) a todos os níveis, quer em termos da percentagem de quem já detém um empréstimo à habitação quer da saturação de construção, e com o agravamento da situação laboral da população mais jovem (com algumas excepções) que pelo seu tipo de trabalho se vê em grande parte excluída do crédito de longa duração.

A prova que a cura para a bolha especulativa não é o arrendamento, que não estamos fora da média europeia e que privar os portugueses do único activo que têm na meia idade, ou fim de vida, (a casa) não iria resolver nada.

Em termos reais (tendo em conta os custos de construção, mais as margens de lucro e não desconsiderando a qualidade) há claramente uma sobrevalorização do que é construído que só tem sido possível por um só factor. A banca. Que sustém os empréstimos que faz ao sector da construção por tempo indeterminado (o que impede grandes quedas de preço mesmo quando a procura abranda já que as empresas não têm grandes problemas de cashflows) e que continua a financiar a construção de novos projectos (privados ou públicos) para que essas mesmas empresas nunca sejam obrigadas a liquidar bens (baixar preços a níveis realistas). Porque o fazem? Penso que por duas razões essenciais e uma que secundária deriva das duas primeiras. Em primeiro lugar, como em quase toda a alta burguesia deste país, há laços familiares entre os bancos e as empresas (façam uma consulta pelos altos quadros e vejam quantos nomes “estranhos” se repetem, se forem mais fundo até descobrem o grau de parentesco). Em segundo lugar os bancos tornaram-se accionistas das construtoras e vice-versa o que cria uma teia de interesses cruzados (e a consequência lógica é que se um deles cair o outro vai atrás pouco depois). E por fim ao ter escolhido este modelo altamente personalizado de fazer negócio a banca portuguesa acabou por se fechar no nicho de concessão de crédito a habitação (tudo o resto é negligenciável em termos de proporção) o que torna os seus resultados a médio prazo completamente dependentes da bolha que ajudaram a criar.

A escolha destes dois sectores como centrais para Portugal foi um erro colossal e está a demonstrar ser um sorvedouro de dinheiro sem fim à vista.

Pela primeira vez em décadas este modelo está mesmo seriamente ameaçado. Os preços estagnaram desde 2007 e não mostram quaisquer sinais de recuperação (dado o estado das finanças familiares portuguesas só por milagre é que isso poderia acontecer – era mais provável apanhar com o satélite em cima) e começam mesmo a descer (e sente-se aqui o horror do sector como um todo). A necessidade de capitalização dos bancos nacionais (ou que operam por cá) está a criar tensões mesmo no seio das grandes famílias, sendo que os que gerem a parte bancária começam a precisar das dívidas que não cobraram até agora ou que reestruturaram. O que isto significa é que os dois maiores investimentos políticos na economia do pós-25  de Abril podem estar prestes a ruir (a escolha de serem estes dois foi, e é, muito duvidosa em todas as perspectivas mas não há dúvida que foi feita e assumida): a banca (para onde se têm canalizado mundos e fundos) e o principal sector de actividade económica do país até há bem pouco tempo, a construção civil. Dado o plano de fragilizar a classe média ainda mais nos seus direitos e o Estado ir, a curto prazo, criar mais 50000 desempregados directos (como mais uma vez já tinha sido dito em campanha e ninguém pareceu ouvir… esperemos que a urgência deste novo corte não se deva a outras situações dúbiascomo é que pensam que este cenário vai evoluir?

Anúncios

2 responses

  1. Não é dificil saber como vai evoluir se o próprio Marx disse que o capitalismo se auto-destruiria. Agora ao que não acho piada nenhuma, foi terem adiantado o estouro do capitalismo. Devem estar preocupados com o número crescente da população mundial. Em vez de deixarem o Sistema evoluir por si, provocaram a derrocada para se safarem com tudo. Não estou a ver saída e pelo que a Merkel tem dito e acrescentou hoje, vamos dar outra vez ao totalitarismo.

    Setembro 26, 2011 às 7:22 pm

    • Eu penso que nem essa preocupação existe. A classe política (a nível mundial) vive no mundo dos ricos (ou espera vir a fazê-lo em breve) e como tal partilha naturalmente as suas preocupações e é particularmente sensível às suas reivindicações (no caso português, para dar só um exemplo, só assim se pode explicar um fiasco de supervisão, regulação e punição que tem sido a Madeira). Simplesmente não querem saber do que vem aí politicamente (e a maioria está piamente convencida que “isto” se pode manter eternamente porque nunca viveram sobre qualquer outra forma política), de certa forma desde que preencha um conjunto muito básico e simples de regras (ou falta delas) qualquer regime serve, afinal de contas eles serão imunes a 99% do que se passar mesmo num cenário de totalitarismo.

      Setembro 27, 2011 às 11:40 am

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s