Já estamos em guerra, simplesmente isso não foi comunicado à maioria.

Posts tagged “Especulação

Forças de Mercado

É hilariante ver como quem defendia intransigentemente o pagamento integral da dívida grega vai agora aceitar pacatamente metade desse valor sem mais questões. É a prova que os próprios credores reconhecem que essa dívida não foi acumulada de forma honesta e que mesmo perdendo 50% dela continuarão a ganhar escandalosamente com a quase falência de uma país e o abandono de milhões de pessoas à mais pura selvajaria económica e injustiça social. Mais divertido ainda é ver como um dos principais sorvedouros de dinheiro deste país continua activo e de boa saúde. O desastre BPN foi posto aos pés do anterior governo (cada um que acredite nos contos de fada que quiser…) mas mesmo depois de vendido (a parte saudável – por um preço escandalosamente baixo que levante sérias dúvidas sobre quem definiu os prazos de venda) deixou-nos os activos tóxicos para serem financiados por nós.

Temos que compreender que há pessoas que não podem ser abandonadas à sua sorte... o comum dos mortais não faz mal mas membros das elites económicas? Seria o fim da civilização...

A banca mais uma vez recusa tomar qualquer acção que ajude a arcar com este fardo e levanta uma questão cada vez mais premente: para que serve? Não arca com o seu peso em impostos. Não financia a economia real como devia, pois tem a maioria dos seus activos em empréstimos à habitação e ao consumo. Não aceita um esquema de taxação especial de alguns dos seus accionistas mais ricos cujos ganhos são inteiramente de natureza especulativa. E por fim alguns exigem 12 mil milhões (valor mínimo) do dinheiro que vamos receber do FMI sem dar nada em troca. Dada esta situação começo a perguntar-me se não seria mais saudável para o país simplesmente ter o estado como entidade que concede empréstimos à economia e privados (de forma directa) em vez de termos os bancos como intermediários que não acrescentam nada à equação que não sejam custos e taxas extra ao cidadão (que não recebe nada em troca e ainda paga duas vezes o mesmo valor, uma vez aos estrangeiros em impostos e outra à banca nacional acrescida de uma gorda comissão). Numa altura que se fala de privatizar o que resta da banca estatal eu acho que era de considerar a criação de um modelo de empréstimo estatal directo, com ou sem a Caixa Geral de Depósitos, como forma de aliviar o custo do crédito útil.

Internacionalmente é quase deprimente olhar para a figura que fazem os políticos portugueses que regularmente se vão humilhar ritualmente perante outros líderes europeus (a si próprios e inevitavelmente, por associação, a nós) para dar provas que são mesmo bem mandados (ou “bons alunos” como eufemisticamente os media preferem). Sim estamos em dificuldades mas temos também um poder destruidor dentro da zona euro completamente desproporcional ao peso real da nossa economia o que nos torna perigosos e com mais a perder do que a ganhar com o status quo – a isto dá-se o nome de poder negocial, facto que o nosso governo parece desconhecer. Tudo isto parece passar ao lado das nossas elites (meritocráticas segundo dizem e está na moda) e preferimos continuar a apresentar-nos sem dignidade, orgulho ou honra face a uma Europa cheia de preconceitos contra a Europa do Sul. Queremos ser vistos como bons tecnocratas económicos, fiéis servos dos mecanismos de mercado nem que isso arruíne ainda mais o já muito fraco peso político internacional do país.

Anúncios

A aprendizagem

Sabendo nós que um país, a Grécia, em tudo parecido com o nosso, está à beira de uma guerra civil ou pelo menos caos social de grandes dimensões – sendo os grandes responsáveis a classe política grega que se recusa terminantemente a servir o seu povo, pôr os instrumentos democráticos de que dispõe em acção e, em suma, renegar uma dívida que foi em muito acrescida pela mera especulação exterior e não pela acumulação interna – todos em Portugal parecem tirar algumas lições sobre o que se passou e ainda pode passar. Para o governo em funções (eu dei-lhes 18 meses de vida quando tomaram posse mas a este ritmo, e dependendo da evolução internacional, posso muito bem ter que rever esse número em baixa) a lição é clara e unívoca: domínio social dos seus patrocinadores económicos ganha prioridade a todo o custo (já que podem não ter tempo de implementar ou inutilizar tudo o que desejam) nem que destruam irremediavelmente o partido a que pertencem como alternativa democrática credível para todo o sempre.

A fome de poder e riqueza corre o risco de deixar 90% das pessoas pelo caminho...

As medidas dividem-se em várias esferas mas não vacilam quanto ao seu propósito. Refazer o país e tudo o que o definiu até este momento de forma essencialmente secreta e antidemocrática (há muito que o seu mandato legítimo foi ultrapassado mas o ritmo reformador só acelera). Quando confrontado com as reservas de uma das pessoas que o colocou onde está (sim é verdade que apenas o parece falar neste momento para salvar o seu legado pessoal face à análise histórica futura, ninguém quer ser conhecido como o último chefe de estado de nenhum regime) o Primeiro-Ministro pura e simplesmente não comenta. Silêncio que mantém sobre a crescente presença angolana em todas as esferas da nossa vida (com fundos derivados de um governo cada vez mais contestado no seu próprio país) A crua realidade é que quem detém poder (ou conivência) suficiente não precisa de prestar contas ao povo. O modelo económico vacila mas ignora-se majestosamente as consequências do que só pode vir a ser um colapso total do consumo (provavelmente acabando em deflação daqui a uns tempos) porque isso afinal de contas até pode ser útil para domar as pessoas e desde que não afecte algumas empresas chave não é relevante – e quem discordar é sumariamente ignorado.

Para uns sim para outro não... e nada mais perverso que vender isto como a ordem natural das coisas.

Não sendo um governo de esquerda é estranho que faça lembrar medidas mais soviéticas que aquelas os próprios comunistas portugueses alguma vez puseram em cima da mesa para a população em geral. Propõe-se o trabalho gratuito do funcionário público para algumas instituições (escolhidas sabe deus por que critério… ), sendo que só num plano imaginário poderá o dito funcionário sentir-se em liberdade de dizer não a esta “proposta”. Quer concorde ou não com a orientação ideológica de algumas organizações será então forçado a “doar” o seu trabalho a elas. Ou seja haverá grupos ideológicos (concordantes com o governo e seus apoiantes socialmente relevantes) que passam a beneficiar de uma força de trabalho gratuita e qualificada. E para terminar, numa nota ainda mais preocupante, tal como na Grécia começamos a ter casos de movimentações neo-nazis que parecem ser mais ou menos toleradas pelas forças de segurança que sendo que é verdade que impediram o confronto também não detiveram, ou sequer identificaram, todos os responsáveis. Estes grupos extremistas estão no céu com esta situação social e começam a apalpar o terreno para ver quanta violência será tolerada por parte de grupos paramilitares ilegais – haverá “caçadas”, lideradas pela extrema-direita armada até aos dentes, pelas ruas de Lisboa e Porto a manifestantes como noutros países?


O fim da bolha

Há décadas que Portugal vive uma bolha imobiliária (em particular nos distritos de maior densidade populacional, especialmente Lisboa) muito curiosa. Uma bolha que parecia não ter começo, meio e fim como todas as outras noutros países; apenas uma longa e contínua subida. Isto é facilmente explicável. O começo da bolha parece estar na descolagem de nível de vida que a classe média começou a ter em fins dos anos 70, inícios dos anos 80 e que foi continuado até aos 90s, mas, depois, deveria ter-se seguido um período de estagnação seguido de muito perto por uma queda real dos preços (na ordem dos dois dígitos percentuais dadas as valorizações excessivas) mas no entanto os preços continuaram estranhamente a subir. A partir de 2000 a situação começa a transformar-se numa verdadeira pintura verdadeiramente surreal à la Dali. Há sinais constantes de abrandamento económico, minicrises em vários sectores, um desemprego que vai lenta mas seguramente crescendo e os preços das habitações não sofrem qualquer oscilação negativa. Nada. Antes pelo contrário continuam uma escalada ascendente. É verdade que a escalada foi menor que noutros países (cerca de 45% entre 96 e 2007 contra os record 350% da Irlanda – falamos de médias nacionais em Lisboa e Vale do Tejo estes valores estão subavaliados) mas isso fica-se a dever a vários factores locais como o facto de ser um mercado mais maduro (menos clientes disponíveis) a todos os níveis, quer em termos da percentagem de quem já detém um empréstimo à habitação quer da saturação de construção, e com o agravamento da situação laboral da população mais jovem (com algumas excepções) que pelo seu tipo de trabalho se vê em grande parte excluída do crédito de longa duração.

A prova que a cura para a bolha especulativa não é o arrendamento, que não estamos fora da média europeia e que privar os portugueses do único activo que têm na meia idade, ou fim de vida, (a casa) não iria resolver nada.

Em termos reais (tendo em conta os custos de construção, mais as margens de lucro e não desconsiderando a qualidade) há claramente uma sobrevalorização do que é construído que só tem sido possível por um só factor. A banca. Que sustém os empréstimos que faz ao sector da construção por tempo indeterminado (o que impede grandes quedas de preço mesmo quando a procura abranda já que as empresas não têm grandes problemas de cashflows) e que continua a financiar a construção de novos projectos (privados ou públicos) para que essas mesmas empresas nunca sejam obrigadas a liquidar bens (baixar preços a níveis realistas). Porque o fazem? Penso que por duas razões essenciais e uma que secundária deriva das duas primeiras. Em primeiro lugar, como em quase toda a alta burguesia deste país, há laços familiares entre os bancos e as empresas (façam uma consulta pelos altos quadros e vejam quantos nomes “estranhos” se repetem, se forem mais fundo até descobrem o grau de parentesco). Em segundo lugar os bancos tornaram-se accionistas das construtoras e vice-versa o que cria uma teia de interesses cruzados (e a consequência lógica é que se um deles cair o outro vai atrás pouco depois). E por fim ao ter escolhido este modelo altamente personalizado de fazer negócio a banca portuguesa acabou por se fechar no nicho de concessão de crédito a habitação (tudo o resto é negligenciável em termos de proporção) o que torna os seus resultados a médio prazo completamente dependentes da bolha que ajudaram a criar.

A escolha destes dois sectores como centrais para Portugal foi um erro colossal e está a demonstrar ser um sorvedouro de dinheiro sem fim à vista.

Pela primeira vez em décadas este modelo está mesmo seriamente ameaçado. Os preços estagnaram desde 2007 e não mostram quaisquer sinais de recuperação (dado o estado das finanças familiares portuguesas só por milagre é que isso poderia acontecer – era mais provável apanhar com o satélite em cima) e começam mesmo a descer (e sente-se aqui o horror do sector como um todo). A necessidade de capitalização dos bancos nacionais (ou que operam por cá) está a criar tensões mesmo no seio das grandes famílias, sendo que os que gerem a parte bancária começam a precisar das dívidas que não cobraram até agora ou que reestruturaram. O que isto significa é que os dois maiores investimentos políticos na economia do pós-25  de Abril podem estar prestes a ruir (a escolha de serem estes dois foi, e é, muito duvidosa em todas as perspectivas mas não há dúvida que foi feita e assumida): a banca (para onde se têm canalizado mundos e fundos) e o principal sector de actividade económica do país até há bem pouco tempo, a construção civil. Dado o plano de fragilizar a classe média ainda mais nos seus direitos e o Estado ir, a curto prazo, criar mais 50000 desempregados directos (como mais uma vez já tinha sido dito em campanha e ninguém pareceu ouvir… esperemos que a urgência deste novo corte não se deva a outras situações dúbiascomo é que pensam que este cenário vai evoluir?