Já estamos em guerra, simplesmente isso não foi comunicado à maioria.

Posts tagged “Estado Novo

O não debate

Deveria talvez dizer outro “não debate” porque com a corrida às privatizações (perdão penso que actualmente o termo é “reformas”) que se está a fazer começa a ser complicado ter noção de quantas coisas estão em cima da mesa e de quem está a tomar decisões sobre o quê (reparem que neste caso o destino da empresa, RTP, é decidido por comissão – para minimizar a responsabilidade de cada um?) – aparentemente não há qualquer autoridade central que esteja a coordenar estas mudanças radicais da sociedade portuguesa, simplesmente grupos dispersos que obedecem a um mesmo interesse. Isto é a via mais fácil de mudar seja o que for sem ter que dar contas a ninguém. Já que nunca se tomou formalmente uma decisão de mudança radical de paradigma social não tem que se justificar o que está a acontecer aos bochechos. O primeiro ministro não assume responsabilidade pelo novo paradigma. Os ministros responsáveis de cada área muito menos (aliás muitos deles escudam-se atrás de uma suposta independência tecnocrática quando basta olhar para os CVs deles para perceber que tal é perfeitamente impossível). As comissões dividem ao máximo a carga moral e apenas recomendam acções. Parece que é tudo muito difuso mas cada dia que passa os portugueses acordam para um país ligeiramente diferente: mais pobre, menos livre, mais medroso, mais dependente das elites, e acima de tudo um país onde não fomos ouvidos sobre nada.

E claro que tudo tem que ser rápido para não nos dar tempo sequer de respirar. Suponho que assim seja porque a partir do Natal os próprios reconhecem que começarão a ter oposição séria – daquela nas ruas e nos locais de trabalho, não daquela que vem do gigantesco logro a que chamamos parlamento e que nunca atinge nada real. Não gosto deste tipo de pensamento, de política de rua, mas quando as instituições políticas, que deveriam ser o cerne da nossa comunidade Pública, estão mortas ou quase que conspiram contra o seu próprio povo não a posso considerar ilegítima (seria o mesmo que considerar a Revolução Francesa ilegítima porque não seguiu os canais próprios do regime absolutista). Cada dia duas reformas pelo menos. Uma verdadeira corrida em que nem sabemos quem são os corredores ou qual é o prémio. Só quando tudo for irreversível é que nos mostrarão a obra completa e irreversível do Novo Portugal (pelas “obras” parece pode vir a ficar surpreendentemente parecido a outra coisa que também se dizia “Novo”). Quando for tarde demais para reagir aí sim saberemos tudo. Tudo menos a quem atribuir responsabilidades claro.

Anúncios

Treinou-se a juventude portuguesa para o quê?

No regime da “outra senhora” sabíamos com certeza completa que o objectivo de qualquer processo educativo e de socialização tinha que desembocar sempre na dupla: 1) criar católicos passivos e 2)carne para canhão para a manutenção do regime (e não falo só da guerra mas também de todo o sistema económico e social). Mas entretanto passaram quase quatro décadas e estará talvez na altura de avaliar o que se fez com o plano de educação das juventudes portuguesas. A resposta é necessariamente ambígua. Em termos de acesso a uma educação formal semidecente a grandes números de pessoas deram-se passos de gigante que permitem uma abertura mental impensável há poucas décadas pode ser esse o factor que impeça o país de se radicalizar ainda mais à medida que as coisas se forem deteriorando. Mas do outro lado da moeda está uma qualidade técnica nem sempre ao nível que seria desejável (por favor não leiam nisto um apoio às cátedras de Coimbrãs do antigamente…) e uma total falta de orientação dos jovens para as suas áreas de talento e depois planos para lidar com esse talento em termos profissionais (abandonar tudo o que não é a engenharia ao deserto é quase suicida).

Objectivo: servir o regime do útero à cova.

Em termos sociais “criminalizou-se” a acção colectiva e o conceito de ter algum ideal (os rótulos podem ir desde sonhadores, comunas, retrógrados, estúpidos ou, quando partem da fina flor da nossa sociedade, tapam-se em sarcasmos mais ou menos delicados para os outros membros do grupo apreciarem a subtileza da estalada social). O resultado em qualquer caso foi (e é) sempre o mesmo, a ostracização quase total de quem não aderisse às novidades que nos chegavam pelas mãos dos monetaristas, liberais, anarco-capitalistas, conservadores sociais entre tantos outros micro grupos que devido ao seu peso económico e influência social desproporcionais conseguiram dominar completamente a agenda mediática e cultural. O resultado foram gerações inteiras de indivíduos completamente fragmentados pelos seus desejos. Isolados socialmente restou-lhes a via do progresso material que nós bem sabemos como acabou pelo que nos rodeia no dia a dia. Ou seja, educação deficiente, muitas vezes em carreiras erradas e frustrantes, sem ideias ou sequer a crença que um ideal é possível, sem sentido de pertença a qualquer grupo (a começar pelo que mais importa, o país). Só podemos concluir que fomos quase que vítimas de um programa de experimentação social em larga escala. A tal engenharia social que só se tentava do outro lado da cortina de ferro. Qual o objectivo desta manipulação? Ainda não percebeu leitor?

Não pense muito na vida..... "eat drink and be merry for tomorrow we die"

Para nada mudar. Um laboratório em como limitar uma revolução ou qualquer onda de impacto dela resultante. Senão veja. Há liberdade de reunião mas a maioria é condicionada a nunca se associar a não ser por obrigação ou ganho imediato (sublinho o imediato). O único ideal que foi permitido sobreviver neste bombardeamento de propaganda conservadora? A Igreja Católica pois claro (nunca repararam na pobreza religiosa de Portugal? Tão poucas religiões representadas… e quase sempre só as mais reaccionárias é que aparecem…), o resto serve para ser demonizado como hedonista, niilista ou lunático. Existe um mercado laboral “livre” mas o poder está todo do lado patronal. Existe uma economia de mercado mas a iniciativa privada, fora de meia dúzia de exemplos, nada vale sem contactos. Não quero com isto dramatizar e dizer que nada mudou para melhor mas é preciso ter noção que esses benefícios, os que ainda existem, estão a escorrer pelos dedos como areia e não vão voltar independentemente das promessas que sejam feitas.